domingo, 31 de agosto de 2014

Psicologia Inversa

Quando disse a alguém que era um "deprimido" (repito: não clinicamente), esse alguém disse-me: "tens tudo para ser feliz, estás na melhor altura da tua vida, tens que deixar de pensar assim, aproveita".
Sem querer começar uma discussão fui obrigado a responder a isto e dizer, "eu "deprimo" por escolha, assim quando vejo o lado negativo das coisas, o lado positivo impressiona-me e surpreende-me", e tenho que admitir que não esperava que a resposta que se seguiu fosse tão boa, "então vives o dia-a-dia sem apreciar as coisas pequenas à espera que as coisas grandes te impressionem", sim tens uma certa razão até ao ponto em que te esqueces que as coisas pequenas são as melhores e mais surpreendentes, exactamente por serem pequenas.
Nós não lhes damos muito valor nem esperamos muito delas dando lhes assim oportunidade de se superarem e impressionarem, muitas vezes por factos simples como apenas mostrarem-te, estás vivo!
Coisas banais desde o nascer do sol a um simples abraço a um amigo são coisas pequenas que me surpreendem sempre que acontecem e assim posso dizer, todos os dias me surpreendo pela positiva, pelo simples facto de ver as coisas pela negativa.
Claro que às vezes me desiludo como toda a gente, é um preço, outro preço de ver as coisas pela negativa é sempre as baixas expectativas (o que leva ao chamado "sofrimento por antecipação") e pouca auto-confiança e auto-estima, mas por vezes compensa se souber medi-las.
E as coisas grandes? Para mim são raras, não são inexistentes, mas são raras. Porque? Porque damos-lhe demasiadas expectativas, mas no entanto todos querem uma chama mas ninguém se quer queimar, então prefiro tratar quase as situações como pequenas de modo a deixá-las surpreender-me.
Pequenas coisas que vão desde o pôr-do-sol na praia até uma piada estúpida que ouvimos e que até achamos piada. Coisas como aquele livro que nos trouxe as lágrimas aos olhos, aquela banda de garagem que vimos no bar no outro dia e que até tinha uns sons fixes. Desde uma tarde com amigos a uma noite com aquela pessoa...
Então da próxima vez que me perguntares "Porque é que és assim triste?", eu respondo-te sem hesitações "Eu sou triste porque isso faz me ser feliz".

0 comentários:

Enviar um comentário

Com tecnologia do Blogger.

About me

Se, por algum lapso de consciência decidires ler mais alguma coisa que se siga a esta apresentação ficas já avisado que, das duas uma, ou vais deprimir ou vais dizer-me assim "fogo, és um triste", se pensares isso eu respondo-te, "não, eu sou feliz, tenho um pai e uma mãe que trabalham e uma irmã que é uma chata do caraças, tenho uma casa e comida na mesa todos os dias, por isso supostamente não tenho motivos para me queixar." Mas eu sempre fui do contra e dado a minha idade e teimosia arranjo sempre motivos para me queixar.