quinta-feira, 30 de outubro de 2014

Fui o que para ti?

Eu sou apenas mais um miúdo ingénuo que se queixa ao mundo, quando devia ser o mundo a queixar-se da minha existência pequena e praticamente insignificante. Um miúdo que não cumpre coisas que não quer cumprir visto que da ultima vez que escrevi aqui disse que estava na altura de seguir em frente... mas (e, infelizmente, há sempre um mas) cheguei à conclusão que apenas posso seguir em frente quando eu quiser fazê-lo, e eu não quero.
Quero chegar à noite todos os dias e esboçar um sorriso (ou verter uma lágrima dependendo do estado de espírito) com uma recordação tua, dormir com a tua imagem na cabeça e acordar e primeira a fazer é ver os SMS com a expectativa estúpida e irreal de ter uma mensagem tua.
Eu sou estúpido, humano (palavras essas que são quase sinónimos) sou um romântico (uma espécie em extinção) ou lamechas se preferires e uma característica também determinante do meu ser é o facto de não ser de aço e como tal não sou imune a sentimentos como tu já sabias.
Depois de tudo o que aconteceu, de te teres refugiado nos braços de alguém que não te amava, de teres voltado a caír no vício que já antes te conhecer bem tinhas prometido deixar, as dúvidas aparecem, e a maior de todas...
Fui o que? Eu digo-te o que gostava de ter sido. Alguém que esteve na tua vida e a mudou de alguma forma, para melhor, para pior, não interessa, gostava de te ter moldado da mesma forma que me moldaste.
Sim moldaste-me sabias?
Fizeste-me sentir alguém, fizeste-me sentir confiante, fizeste-me sentir seguro comigo e contigo.
E depois descobri algo... que mentiste com todos os dentes que tinhas, que o que eu sentia era reciproco e aí uma dúvida instalou-se na minha cabeça, o que fui eu para ti?
A minha aposta é que fui apenas uma distração daquele que realmente te ocupava o pensamento e o coração, fui o "menor de dois males" e agora pergunto-te, em quem pensavas quando estavámos juntos? Em mim? Ou nele?
Ou fui uma diversão, alguém que aproveitaste para atenuar uma dor que já existia mas que não conseguias apagar. Um simples copo de água que te providenciou um conforto temporário num incêndio muito maior?
De qualquer forma o amor é teimoso e a cada dia que passa tenho mais pena de te amar, mas é a ti...
Já à algum tempo que o é e suspeita-me que durante algum tempo o vai ser.
"O oposto do amor é a indiferença"e é impossível seres me indiferente.
As mulheres são complicadas de natureza, mas não sei, parece que tu em especial és diferente, és teimosa, complicada e por vezes até cínica e egoísta e talvez seja essa diferença que te torna tão atraente, talvez seja por isso que a tua presença imponente me faz sentir tão leve.
Talvez eu esteja a exagerar e aos olhos de outros homens sejas apenas uma "carinha bonita" com um corpo escultural e não diferente das outras.
Mas para mim serás sempre aquela a quem tentei dar tudo, mas eu para ti não sei quem sou e isso está me a matar.









Pelos vistos não és só tu a granada pronta a explodir.

0 comentários:

Enviar um comentário

Com tecnologia do Blogger.

About me

Se, por algum lapso de consciência decidires ler mais alguma coisa que se siga a esta apresentação ficas já avisado que, das duas uma, ou vais deprimir ou vais dizer-me assim "fogo, és um triste", se pensares isso eu respondo-te, "não, eu sou feliz, tenho um pai e uma mãe que trabalham e uma irmã que é uma chata do caraças, tenho uma casa e comida na mesa todos os dias, por isso supostamente não tenho motivos para me queixar." Mas eu sempre fui do contra e dado a minha idade e teimosia arranjo sempre motivos para me queixar.