segunda-feira, 2 de março de 2015

I'll come around

(Era uma vez um ele, e uma ela. Desconhecidos um para o outro.
Independentes na sua vida, dependentes na vida do outro.
Sem suspeita ambos caminhavam para o momento que mudaria a sua vida,
Da forma mais bonita que a natureza pode oferecer:
 

      - Prazer em conhecer-te.


E nesse ele e nessa ela eles encontraram-se sem o saberem, e o amor começa ainda antes de começar.

   
      - Prazer em estar na tua companhia.


E ultimamente eles encontram-se nos lençóis porque é aí que se descobrem melhor, e se amam.
A cama partilhada é o maior desconhecido de todos mesmo quando é a nossa.

 
      - Foi um prazer estar contigo.


E um puto era o que faltava na sua vida conjunta e pseudo-independente.


     - E como lhe chamamos?
     - Sempre gostei de Bernardo.
     - Prazer em conhecer-te.


Mas o puto cresceu. "Sou um homem" - dizia ele.

Ao contrário do pai que toda a vida foi um jovem.

"Não olho para as rugas, prefiro olhar para a ausência delas" - repetia ele várias vezes.


Ninguém o sabia mas na verdade ele tinha ouvido esta frase na televisão.

Mas o puto foi se embora como todos os bons putos e como todos os homens.


     -  Foi um prazer ver-te crescer.


E a caricata relação dos nossos dois "eles" continuou. Até ao dia em que não podia mais continuar.
"Até que a morte nos separe" - disseram eles um dia. Que ingénuo da parte da morte achar que pode separar um amor assim. "Deus escreve direito por linhas tortas, mas não é mais torto que eu".

E ela chegou, eventualmente, para ambos, ele antes dela, e no seu último suspiro ele disse:


     - Foi um prazer conhecer-te.)




E ambos acordaram ao som do despertador, cada um na sua cama, separados por duas famílias distintas mas sempre desejando-se mutuamente. E continuaram desconhecidos e pseudo-independentes. Sempre acompanhados e sempre sozinhos, nunca verdadeiramente satisfeitos.

Mas felizes, sem nunca terem conhecido a felicidade.
Mas ela anda aí, à distância de um:



     - É um prazer conhecer-te...
















0 comentários:

Enviar um comentário

Com tecnologia do Blogger.

About me

Se, por algum lapso de consciência decidires ler mais alguma coisa que se siga a esta apresentação ficas já avisado que, das duas uma, ou vais deprimir ou vais dizer-me assim "fogo, és um triste", se pensares isso eu respondo-te, "não, eu sou feliz, tenho um pai e uma mãe que trabalham e uma irmã que é uma chata do caraças, tenho uma casa e comida na mesa todos os dias, por isso supostamente não tenho motivos para me queixar." Mas eu sempre fui do contra e dado a minha idade e teimosia arranjo sempre motivos para me queixar.