segunda-feira, 4 de maio de 2015

Como diz a música dos Ornatos, "a cidade está deserta" e eu só não escrevo o teu nome em toda a parte porque é ilegal. Não que eu nunca tenha feito nada ilegal, ou que tenha medo, só acho que o mundo é feio de mais para o teu nome ser escrito nele, ou o meu.
Foda-se o mundo é tão pequeno, que podia dar lhe as voltas que quisesse que iria dar sempre ao mesmo sitio: a teu lado.
Que posso dizer? Sou um lamechas, um mimoso, um piroso. Mas acima de tudo, sou teu.
Porra se sou, o meu sorriso só aparece quando estás, o meu corpo só aquece quando falas e as minhas palavras só fazem sentido quando são para ti.
Isto tudo pode parecer exagerado, as palavras de um romântico clássico, o discurso de um sentimentalista, talvez até seja algo de uma hipérbole, talvez até seja exagerado, mas apenas o é para competir com o amor exagerado, saudável, louco e incontrolável que tenho por ti.
Foda-se que te amo. E se o mundo é assim tão feio, que nós estejamos cá para o contrariar.




0 comentários:

Enviar um comentário

Com tecnologia do Blogger.

About me

Se, por algum lapso de consciência decidires ler mais alguma coisa que se siga a esta apresentação ficas já avisado que, das duas uma, ou vais deprimir ou vais dizer-me assim "fogo, és um triste", se pensares isso eu respondo-te, "não, eu sou feliz, tenho um pai e uma mãe que trabalham e uma irmã que é uma chata do caraças, tenho uma casa e comida na mesa todos os dias, por isso supostamente não tenho motivos para me queixar." Mas eu sempre fui do contra e dado a minha idade e teimosia arranjo sempre motivos para me queixar.