domingo, 7 de junho de 2015

No prego de volta a casa

Estou parado à beira da entrada da estrada nacional, a partir daqui seria, entrar na auto-estrada e seguir para onde o mundo me levar. Sim é cliché eu sei, mas tu sabes que sempre gostei de clichés e filmes. Talvez isto até seja o mais parecido a um filme que eu vá viver, sou novo, porque não?
Se isto fosse um filme talvez eu agora me fosse embora com a capota do Ford Escort em baixo, óculos de sol, o cabelo a pingar gel, o "Born to be Wild" a dar na rádio e uma vontade de abandonar tudo...
Sentei-me no lugar do condutor e meti a chave na ignição. Está na altura de fazer a decisão, não há nada que me prenda aqui, tinha-te a ti, mas não sei se essa é razão suficiente para ficar.
Não é que eu não queira ficar contigo, quero, quero mesmo, mas não sei...
Um cabrão de um camionista apitou e distraiu-me dos meus pensamentos, nessa fração de segundo em que me distraí ia jurar que tive saudades de pensar em ti.
E quanto mais me lembro de ti mais me apetece pegar no carro e dar a volta...
Não sei se o faça, nem sei o que faça se fôr, talvez pegue em ti e te leve ao céu, alí no hall de entrada, talvez fale contigo primeiro, tenhamos uma discussão como nos filmes e depois reconciliamos no quarto, ou talvez nem me abras a porta...
Chego à conclusão que não me interessa, vou ter contigo, e vou matar as saudades desses lábios, matar a fome desse corpo e querer te como nunca te quis!
Meto a primeira e dou a volta, que tinha eu na cabeça?
 Ir me embora sem me despedir?


















0 comentários:

Enviar um comentário

Com tecnologia do Blogger.

About me

Se, por algum lapso de consciência decidires ler mais alguma coisa que se siga a esta apresentação ficas já avisado que, das duas uma, ou vais deprimir ou vais dizer-me assim "fogo, és um triste", se pensares isso eu respondo-te, "não, eu sou feliz, tenho um pai e uma mãe que trabalham e uma irmã que é uma chata do caraças, tenho uma casa e comida na mesa todos os dias, por isso supostamente não tenho motivos para me queixar." Mas eu sempre fui do contra e dado a minha idade e teimosia arranjo sempre motivos para me queixar.