quinta-feira, 10 de setembro de 2015

Yin-yang

Ele vive do lado direito da rua quando se desce e dorme numa cama de mogno.
Ela vive numa casa na árvore e dorme numa gaiola dourada sem porta.

Ela quer mudar o mundo com arte, pensa em Banksy e pensa em alternativo. Faz yoga ao som de Linda Martini. O barulho acalma-a.
Ele acha que a música vai mudar a sua vida e quer ser independente. Vai à loucura ao som de Damien Rice. A calma excita-o.

De dia ela é uma criança e ele um homem.
De noite ele é uma criança e ela uma mulher.

Ele aquece se com um cobertor de lã.
Ela aquece se com pele de lobo.

Ele tem tantas guitarras quanto ela tem desenhos.
Ela tem tantos desejos como ele vontade de os concretizar.

Ele chora no Forrest Gump.
Ela chora no À Procura de Nemo.

O jardim dele cresce cactos.
O dela cresce as rosas mais bonitas.

Ele veste se de preto e é discreto.
Ela veste se de branco e parece um anjo enquanto o seu sorriso encandeia a sala.

Ele é tímido e atrapalha se a falar.
Ela de hoje para amanhã arranja uma tatuagem nova, um novo piercing e um amante.

Ele quer ver o mundo.
Ela quer ver o mundo.

Ela sonha ser feliz.
Ele sonha com ela.






2 comentários:

Com tecnologia do Blogger.

About me

Se, por algum lapso de consciência decidires ler mais alguma coisa que se siga a esta apresentação ficas já avisado que, das duas uma, ou vais deprimir ou vais dizer-me assim "fogo, és um triste", se pensares isso eu respondo-te, "não, eu sou feliz, tenho um pai e uma mãe que trabalham e uma irmã que é uma chata do caraças, tenho uma casa e comida na mesa todos os dias, por isso supostamente não tenho motivos para me queixar." Mas eu sempre fui do contra e dado a minha idade e teimosia arranjo sempre motivos para me queixar.